domingo, 25 de junho de 2017

solidão

no centro do deserto
na noite mais funda do universo
só pérolas de estrelas distantes
átomos de gelo e ar veloz
me tocavam sob  luz transcendente 
nas ondas das dunas de estranha vida
deliberei atravessá-lo contigo
junto aos teus passos caminhei
aprendi a não ter medo da morte
a enfrentar a fúria dos fanáticos 
dos fantasmas,  das fomes, misérias e hipocrisias
teus olhos me vestiram na planura dos medos
tuas mãos me ofereceram o vinho puro
procedente de uvas cor de sangue 
numa taça de cristal 
sibilando amor em pleno vento

Sem comentários:

Enviar um comentário