terça-feira, 7 de março de 2017

Quem sou eu?

sou a luz que entra em mim
a calma do inverno quase no fim
sou o que vejo, o que sinto
o doce veludo das minhas botas
a transparência das lentes por onde olho
o verde das folhas quietas de que respiro
sou as formas das tuas mãos
as ondas do teu mar e os pensamentos dos teus peixes
sou o louco da colina a sentir o vento
a ver o por-do-sol enquanto a terra gira
sou o trinado dos pássaros invisíveis
a leveza do corredor incansável na longa praia
a maresia dos crustáceos da maré vazia
sou do tamanho do que vejo
mas não sei a dimensão do que gera o que me é dado
não sei o que sou, quem sou nem para onde vou
por isso a minha vida é agradável 
como o voo de um dente de leão
semeando brilho branco suave no ar
caindo, caindo, devagar, devagar