sexta-feira, 6 de setembro de 2013

falar

palavras,
pó do universo.
demiurgos e seus destinos:
dispomo-las ao sabor dos ventos,
peças de dominó,
tombarão
num espetáculo efémero,
as nossas vidas.
o sopro telúrico
trá-las consigo,
ondulantes batéis.

beijos e abraços,
palavras retinindo
abrindo clareiras
sossegando o vórtice
delas somos inteiramente,
livres não se deixam alienar
o nosso destino é fal(h)ar.