quarta-feira, 3 de maio de 2017

incompleto

nasci com um destino incerto
cujo caminho desconheço
de que palavras fui concebido, não sei
talvez gerado sem esboço ou plano
como as ervas dos campos baldios
erro à moda dos planetas
como partículas de pó na sua agitação fervilhante
dispo-me  de mim, na solidão, acompanhado de sombras
de luzes, de pontos, de cores,  de sons, de formas
minúcias de memórias agrestes
avisto feras que se comem umas às outras
desenho animais amestrados que não tomam banho
treino a memória dos dias da primeira infância
quando o mundo era todo calor das cinzas da lareira
e as corridas, rápidas, ao som de gargalhadas
desenrolavam o fio condutor da vida, 
tudo isso poderia dar um poema 
necessariamente incompleto...

Sem comentários:

Enviar um comentário